Tecnologia criando a Advocacia 4.0

O avanço da tecnologia nos principais mercados no Brasil e no mundo é algo mais claro a cada dia, novidades como internet das coisas, inteligência artificial, big data, robotização e machine learning deixam de ser apenas novidades que poucos têm acesso e se tornam a cada dia, uma realidade para diversos setores. O setor jurídico não poderia ficar de fora, nesse local, a imagem do advogado 4.0 ganha mais e mais espaço, ele enxerga a tecnologia como aliada e faz uso de ferramentas digitais para otimizar os processos que tem em mãos.

E segundo Alessandra Borelli, diretora de uma empresa focada em  direito digital, aqueles que trabalham no meio jurídico não podem mais deixar de lado sua entrada no mundo digital.

“Não há mais como esperar para ingressar no ambiente digital, a advocacia 4.0 já é uma realidade: os processos migraram para a plataforma eletrônica e os clientes já conseguem acompanhar em tempo real o andamento dos mesmos. Além disso, a cada dia, crescem as soluções de mediação, que têm feito uso de aplicativos de conversas instantâneas, como o WhatsApp (cuja validade probatória está sendo reconhecida pelos tribunais)”, diz.

Alessandra acredita, inclusive, que já estamos vivendo uma momento revolução digital no setor. Segundo ela a tecnologia já transformou muitas das ações que eram praticadas no dia-a-dia de advogados, tornado a prática legal cada vez mais veloz e suprindo a necessidade de mais eficiência para os processos.

O Direito não está alheio a essas transformações, aliás, em sua função reguladora, serve à sociedade para assegurar que as novas transações sejam revestidas de segurança jurídica”, falou.

Segundo ela, a crescente capacidade de processamento de dados e a evolução da nanotecnologia, já podem ser esperadas soluções cada vez mais integradas e também por uma melhoria das plataformas que usam o machine learning para se aprimorar.

Por último ela alerta porém para alguns desafios que devem ser superados, para que a privacidade e o espaço de cada individuo seja respeitado. “O principal desafio do futuro é assegurar oportunidades de desenvolvimento em condições de igualdade, evitando que práticas ilegais impeçam que pessoas, em razão de seus respectivos dados, sejam previamente excluídas de algo sem autorização, como de processos seletivos, por exemplo”, pontua.

 

FONTE: site – jornalcontabil.com.br